ISOLAMENTO

Porque nos sentimos indefesos criamos estruturas em torno de nós para que elas nos protejam daquilo que não conhecemos.

Criamos barreiras para nos afastarmos das ameaças que imaginamos.

E nos isolamos.

Mas o isolamento não é a escolha instintiva dos seres humanos.

E a solidão que nós mesmos construímos faz com que sintamos uma permanente insatisfação, uma eterna busca de alguma coisa que nem nós mesmos conseguimos identificar.

Somos o fruto das nossas opções.

Sem que tenhamos percebido quando e como isto aconteceu nos transformamos em ilhas em meio de um oceano que nos parece ameaçador.

Mas não é este o destino que nos foi proposto e seguimos numa busca de algo que nos complete.

Quando imaginamos ter encontrado esta complementação, nos apegamos e lutamos para que este elo não se desfaça, não se quebre.

Porque somos inseguros, nos apegamos.

Como o náufrago que se agarra no que lhe parece ser a salvação.

Mas mesmo ele não poderá permanecer agarrado à sua "tábua de salvação" indefinidamente.

É preciso aceitar as transformações que a vida nos traz.

É preciso deixar partir aquilo que já cumpriu sua finalidade.

É preciso aceitar o fato de que a estrada da vida é repleta de encontros e despedidas; de chegadas e partidas.

Paramos muitas vezes a fim de nos reabastecermos de força, mas sempre haverá o instante em que teremos que continuar nosso caminho.

Não permita que o medo e a insegurança o detenham. Aceite as mudanças que surgirem. São elas que o levarão a alcançar o verdadeiro propósito de sua vida.

 Indique esta Página!

Escolha aqui aonde deseja ir:

VOLTAR